Platão e a Beleza Através do Olhar de um Visagista

1. Introdução

Platão nasceu em Atenas provavelmente em 427 a.C. e morreu em 347 a.C. É considerado um dos maiores pensadores gregos da história, pois sua obra influenciou profundamente a filosofia ocidental.  Foi discípulo de Sócrates e fundou a Academia de Atenas, onde Aristóteles estudou e se tornou seu discípulo até a morte do mesmo.

Platão por sua vez foi discípulo de Sócrates, e sua execução pelo Estado o abalou profundamente, fazendo com que ele sentisse a necessidade de uma maior participação filosófica na visa política, tornando-se um crítico agudo.

2. Principais Teorias

As suas ideias diferenciam o mundo em coisas sensíveis (ideias e inteligência) e visíveis (seres vivos e matéria), e também foi o primeiro a perguntar explicitamente: o que é o belo? No diálogo Hípias Maior ele examina diversas possibilidades de definir o belo, porém chegou a conclusão que nenhuma definição seria suficiente para explicar o conceito de beleza naquela época.

No texto do Filebo e em seus diálogos posteriores, ele apresenta a Teoria do Belo que forma uma tríade com o bem e o verdadeiro, segundo uma análise psicológica.

Para Platão, em A Estética e a Questão do Belo nas Inquietações Humanas, 1967, RUSSELL, Cf, o belo é o bem, a verdade, a perfeição; existe em si mesmo, apartada do mundo sensível, residindo, portanto, no mundo das ideias.

Em O Banquete, Platão define o amor como a junção de duas partes que se completam, constituindo um ser andrógino que, em seu caminhar giratório, perpetua a existência humana. Esse ser, que só existe no mundo das ideias platônico, confere à sua natureza a forma uma espécie peculiar de beleza: a beleza da completude, do todo indissociável, e não uma beleza que simplesmente imita a natureza.

3. O belo segundo Platão

Assim, temos em Platão, uma concepção de belo que se afasta da interferência e da participação do juízo humano, ou seja, o homem tem uma atuação passiva no que concerne ao conceito de belo: não está sob sua responsabilidade o julgamento do que é ou não é belo.

4. O belo segundo o visagista

Na visão de um visagista, o conceito de beleza não é algo que possa ser simplesmente definido em poucas palavras, pois cada indivíduo possui características personalíssimas que são estudadas profundamente para a elaboração de um dossiê visagista (conceito de beleza plena). Informações como estilo, temperamento, personalidade, gestual intuitivo, análise cromática, são apenas uma pequena amostra dos aspectos do indivíduo que são minuciosamente estudados.

5. Visagismo empresarial 

No ambiente corporativo, não é diferente: a empresa ou um produto precisam ser conhecidos e estudados, para que o profissional visagista possa conhecer a imagem que essa empresa ou produto passa para seus clientes alvo (target), elaborando uma análise visagista, direcionando as mudanças a serem realizadas para que o cliente corporativo passe a imagem desejada para seu público final.

6. Visagismo e o belo

Segundo as diversas ciências que compõem o Visagismo, a beleza consiste na harmonização de todos os elementos que constituem tanto um indivíduo, como um produto ou empresa, combinando diversos estudos e aspectos além da  simetria de Aristóteles ou da tríade da beleza de Platão.

 

Certos aspectos como: cores, estilos de roupa, acessórios,  formatos de rosto, temperamento, personalidade, estilo; tudo isso relacionado com os fatores ambientais que cercam o indivíduo e contribuirão para a elaboração do Dossiê Visagista  que adeque o indivíduo ao objetivo final.

7. Conclusão

Entretanto vale lembrar também que todos esses aspectos são aplicados em conjunto com as quatro ferramentas essenciais (visualização, cores e formas, gestual intuitivo e os tipos de linguagem).

Desde a fachada de uma empresa, aparência física de uma pessoa (roupas, maquiagem, cabelo, postura física) até as embalagens de produtos, é preciso estabelecer uma visualização interessante e de qualidade principalmente para que atinja o potencial máximo de conquista na sociedade ou em determinado target de mercado.